Laboratório de Psicanálise, Processos Criativos e Interações Políticas (LAPCIP)
  • Publicado em 04/08/2020 às 14:43

                      


  • Lançamento e debate do livro “ Democracia em Tempos Difíceis: interdisciplinaridade, política e subjetividades”

    Publicado em 27/09/2022 às 10:42

     

    Convidamos a tod@s para lançamento e debate do livro “ Democracia em Tempos Difíceis- interdisciplinaridade, política e subjetividades” a ser realizado dia 29/09/2022, no horário de 17:00 horas, na Apufsc – campus.


  • Arte Saúde e Criatividade: Seminário Luso-Brasileiro clínico e interdisciplinar

    Publicado em 16/09/2022 às 10:15

    Arte Saúde e Criatividade:

    Seminário Luso-Brasileiro clínico e interdisciplinar

    O CORPO, ENTRE PRAZER E DOR

    18, 21, 22 e 23 de Novembro de 2022

    Universidade  Portucalense/Portugal

    ©️Lizângela Torres – Incursões noturnas – 2008

    Formato: Híbrido

    (Presencial e on-line via Zoom)

    Minicursos

    Minicursos

    Comunicações Orais

    Comunicações Orais

    Home-page:

    https://lapcip.paginas.ufsc.br/em-destaque/arte-saude-e-criatividade-seminario-luso-brasileiro-clinico-e-interdisciplinar/


  • Utopia, trauma e memória: Escrever o impossível

    Publicado em 27/07/2022 às 22:19

    O Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH) e o Programa de Pós-graduação em Psicologia (PPGP) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) convidam para a aula inaugural  “Utopia, Memória e Trauma: Escrever o Impossível”, com o apoio do Acolhe UFSC e LAPCIP.

    Professor convidado: Dr. Edson Luiz André de Souza.
    Psicanalista, Analista membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre ( APPOA). Professor titular do Instituto de Psicologia da UFRGS. Doutorado e Pós-doutorado pela Universidade de Paris VII, Pós-Doutorado pela EHESS de Paris (Ecole des Haute Etudes en Sciences Sociales).  Professor visitante na Deakin University (Melbourne), Instituto de Estudos Críticos (Cidade do México), De Paul University (Chicago), University of Limerick (Irlanda). Coordena junto com Maira Brum Rieck o Museu das Memórias (Im)possíveis (APPOA).
    Autor entre outros dos livros “Furos no Futuro: psicanálise e utopia”  (Artes & Ecos, 2022), “Imaginar o Amanhã” (Diadorim, 2021) em co-autoria com Abrão Slavutzky,  “Sigmund Freud: ciência, arte e politica” (L&PM, 2009) em co-autoria com Paulo Endo, “Uma invenção da utopia” (Lumme Editora, 2007).

    Data: 09/09/22

    Início do evento: 14h

    Sessão de Autógrafos: 16h30

    Local: Auditório do CFH

    inscrições:  l1nq.com/92XPL


  • O Projeto “Acompanhamento Terapêutico: clínica e criação na cidade” foi contemplado com duas bolsas de extensão no ano de 2022

    Publicado em 06/03/2022 às 17:40

    O Projeto “Acompanhamento Terapêutico: clínica e criação na cidade” (7ª e 8ª edição) conquista destaque neste ano, sendo contemplado com duas bolsas de extensão. Com isto, evidencia-se o compromisso da psicanálise nas instituições públicas de ensino, mostrando seu diálogo com o território e o compromisso social no ensino, pesquisa e extensão.


  • Selecionadas PROBOLSAS 2022

    Publicado em 10/02/2022 às 15:23

    SELEÇÃO DE BOLSISTAS DE EXTENSÃO – RESULTADO

    A professora Ana Lúcia Mandelli de Marsillac ­­­­­­­­­­, no uso de suas atribuições, conforme disposto no EDITAL Nº 10/2021/PROEX (PROBOLSAS 2022) torna público o RESULTADO DA SELEÇÃO de estudantes de graduação que irão desenvolver atividades de extensão no âmbito do Projeto Acompanhamento Terapêutico: clínica e criação na cidade (7ª e 8ª edição), são elas:

    Sara Chiamolera e Lilian Meira.


  • Projeto Acolhe UFSC abre inscrições para grupo de acolhimento na modalidade online

    Publicado em 07/12/2021 às 19:24

    [Repost: Instagram PPGP UFSC – @ppgp.ufsc]

    O projeto Acolhe UFSC está com inscrições abertas para grupos reflexivos de promoção à saúde. Abertos exclusivamente para os estudantes da pós-graduação UFSC, os encontros quinzenais são conduzidos por psicólogos que visam estabelecer trocas relativas às vivências durante a pandemia e cotidiano da pós-graduação com suporte de conhecimentos da psicanálise. As atividades ocorrem pelo Google Meet com duas possibilidades de horário: o primeiro grupo se reúne nas quartas- feiras, das 11h30 às 13h30 e o segundo, também nas quartas-feiras 19h30 às 21h.

    A ideia é que, a cada encontro haja uma temática disparadora para o diálogo, tais como: imagens, músicas, filmes, novos hábitos, relações e suas modalidades, trajetos, relações com o espaço. Para participar, é necessário preencher o formulário de inscrição neste link https://bit.ly/acolheufsc.

    Mais informações pelo Instagram @acolheufsc ou pelo e-mail psi.acolheufsc@contato.ufsc.br.


  • Lançamento do livro “Publicar um escrito – passagens moebianas entre casa, rua e universidade”

    Publicado em 03/12/2021 às 15:35


  • A UFSC NÃO PARA!

    Publicado em 08/11/2021 às 21:47

    Em meio a alegações de estagnação da universidade federal durante a pandemia, trazemos por meio desse post as atividades realizadas pelo LAPCIP de 2020 até agora para reforçar que a UFSC não para!!

                              

                   


  • Abertas as inscrições para o minicurso “Acompanhamento Terapêutico: Enlaces entre a Clínica e a Cidade”

    Publicado em 08/11/2021 às 20:37


  • Abertas as inscrições para o curso ‘Brechas no Fascínio, Fragmentos que Despertam’

    Publicado em 20/10/2021 às 17:47

    Ementa: As obras de arte podem ser lidas sob diferentes abordagens teóricas. Nesse curso, focaremos na perspectiva da psicanálise, sobretudo a partir das contribuições dos psicanalistas Sigmund Freud e Jacques Lacan. A partir de textos centrais nas obras desses autores, apresentaremos a perspectiva epistemológica da psicanálise e destacaremos eixos diferenciais de sua abordagem sobre a cultura e sobre a arte. Os artistas são considerados, por Freud, antenas do seu tempo, estando um passo à frente, colocando em cena os vapores das novas ideias. A partir de uma estética negativa, a psicanálise, abre brechas no fascínio, não supõe a plenitude e não visa ocupar-se prioritariamente sobre o belo. Voltada ao estranho, sublinha as aberturas, as incoerências e os múltiplos sentidos que habitam as obras. Nesse movimento de interrogação, análise das contingências e dos significantes, pauta suas interpretações que buscam pontuar perspectivas singulares e culturais, sem com isso tamponar a obra com seu saber.

    A obra do filósofo e historiador Georges Didi-Huberman também será destacada. Suas produções auxiliam-nos a refletir sobre as contribuições do saber psicanalítico e benjaminiano, na análise das obras de arte. O estranhamento do olhar sustenta uma estética negativa e os enlaces entre mal-estar, sujeito e desejo. As relações entre sintoma, imagem e cultura instigam-nos a uma postura crítica, que rompe com um pensamento único, pois é através dos traços da cultura que se pode acessar as diferenças e singularidade que coabitam uma mesma época e que tendem a ficar de fora da história hegemônica. Nessa perspectiva, a obra de arte revela-se como fragmento da cultura, sintoma de um tempo, objeto que articula singularidade e laço social.

    Aula 1: Introdução às relações entre Arte, Psicanálise e Política
    Aborda o conceito de obra de arte, processo criativo e contingências sócio-histórico-culturais, destacando a dimensão do risco da criação. Revisita textos fundamentais da psicanálise e o modo como Freud debruçava-se sobre as obras de arte. Analisa, assim, a obra de Leonardo Da Vinci: “A virgem e o menino com Sant’Ana” (1508-1513) e o valor do infantil, do inacabamento e da finitude que evoca. Reflete que a psicanálise está em posição de escutar e atribuir palavras decisivas para as questões que dizem respeito à vida imaginária da humanidade.

    Aula 2: Estética Negativa
    Articula a questão da estética para além do belo, ocupando-se das dimensões que atravessam a criação, tais como a efemeridade do tempo e os horrores provocados pela civilização. Destaca-se as obras dos artistas: Renné Magrite, “Os Amantes”, 1928; “Par de botas”, 1934 e Mário Ayguavives “Otro Cuerpo”, 1997, que instigam a refletir sobre a fantasia, o estranho e o duplo, elementos fundamentais nessa estética negativa.

    Aula 3: O Olhar e as fraturas no fascínio
    Analisa a concepção de sujeito para a psicanálise e sua ética. Destaca a dimensão pulsional do olhar, enquanto repetição e diferença, promovendo fraturas no fascínio que supõe a completude. Destaca-se as obras: “Os Embaixadores”, 1533, de Holbein; “Die”, 1962, de Tony Smith e “Morte eu sou teu”, 1997, de Karin Lambrecht, que permitem refletir sobre as distorções da forma e sobre a função da morte em suas relações com o olhar e com o fascínio.

    Aula 4: Imagem & Tempo: fragmentos que restam
    Diante da imagem, estamos diante do tempo. Análise do tempo articulado às obras e da função da imagem. Através do olhar e do desejo utópico, algo resta, se transmite e se compartilha, mesmo ante ao mal entendido. Através das obras: “A virgem das sombras”, 1440, de Fra Angelico; “1965/1 – ∞ “, de Roman Opalka e “Silhuetas séries”, 1979, de Ana Mendieta, realiza uma leitura anacrônica das obras, sublinhando o valor da descontinuidade, da transitoriedade, do luto e das políticas da vida.